A Gratidão, o Tempo Presente e as Pessoas

No que concerne à cura e ao bem-estar, sabemos que só vivenciando cada momento, podemos ter acesso às dádivas do Universo, pois o passado nos adoece e nos aprisiona e o futuro nos causa ansiedade e angústia.

As Três Respostas
Um dia um imperador decidiu que tinha três questionamentos a serem respondidos e que se ele soubesse as respostas dessas três questões ele sempre saberia o que fazer. Então, ele mandou anunciar em todo o seu reino que se alguém pudesse responder suas três questões, ele daria uma grande recompensa. Estas são as três questões:
Quando é o melhor tempo para se fazer alguma coisa?
Quem é a pessoa mais importante?
Qual é o objetivo mais importante?
O imperador recebeu muitas respostas, mas nenhuma o satisfez. Finalmente ele decidiu viajar para uma montanha em busca de um eremita que lá vivia e que nutria a fama de ser um grande sábio. Talvez ele soubesse as respostas, pensou o imperador.
Quando lá chegou, depois de uma cansativa viagem, ele fez as três perguntas ao eremita. O eremita, que estava capinando o seu jardim, ouviu atentamente e então retornou ao seu trabalho sem dizer uma única palavra. O eremita continuava a capinar e aparentava estar cansado. O imperador imaginando que talvez ele não tivesse respondido pelo cansaço se prontificou a ajudá-lo enquanto ele descansava. Assim, ele disse: me dê a enxada. Eu vou capinar e você pode descansar um pouco.
Depois de capinar por muitas horas, o imperador também estava cansado. Ele pôs a enxada de lado e voltando-se ao eremita disse: se você não pode responder minhas questões, tudo bem. Basta me dizer que eu vou embora.
O eremita, voltando sua atenção para a mata perguntou: você ouviu alguém correndo?
Eis que do meio do bosque, no topo da montanha, aparece um homem cambaleando e pressionando o estômago. Quando o eremita e o imperador se aproximaram ele desmaiou. Abrindo sua camisa eles viram que ele tinha um corte profundo. O imperador limpou a ferida, usando sua própria camisa para estancar o sangue. Quando recobrou a consciência, depois de já ter sido cuidado pelo imperador, o homem pediu água. O imperador correu até o riacho e trouxe água para ele. O homem bebeu e dormiu.
O eremita e o imperador carregaram-no para a cabana e o deitaram na cama do eremita. O imperador, que estava cansado, também adormeceu.
Na manhã seguinte, quando o imperador acordou, viu o homem ferido em pé na sua frente murmurando: perdoa-me!
Perdoar você? Disse o imperador, sentando imediatamente. O que você fez que necessita o meu perdão?
O homem então contou: vossa Majestade não me conhece, mas eu o tenho considerado como o meu pior inimigo. Durante a última guerra, seus homens mataram meu irmão e roubaram minhas terras. Então eu jurei vingança dizendo que iria matá-lo. E, de fato, ontem eu estava em uma emboscada, esperando Vossa Majestade retornar para casa para matá-lo. Eu esperei muito tempo, mas, por alguma razão, não retornastes. Quando eu deixei meu esconderijo para procurá-lo, seus guardas me encontraram e me reconheceram. Então eles me atacaram e me feriram. Eu sangrei muito, se não tivesses me ajudado eu certamente teria morrido. Eu tinha planejado matá-lo e em vez disso me salvastes a vida. Eu estou envergonhado e profundamente agradecido. Por favor, me perdoe.
O imperador estava atônito com aquela história e disse: eu sou agradecido por seu ódio ter acabado. Desculpe-me também, agora que ouvi a sua história, pela dor que tenho causado a você. Eu o perdoo e devolvo as suas terras.
Depois de orientar seus guardas para levar o homem para casa, o imperador retornou para o eremita dizendo: eu devo ir agora. Vou viajar para todo lugar procurando as respostas para as minhas três questões. Eu espero algum dia encontrá-las.
O eremita riu e disse: suas questões já foram respondidas, Majestade!
O que você está dizendo? Exclamou surpreso o imperador.
O eremita explicou. Se você não tivesse me ajudado a capinar o meu jardim ontem, atrasando o seu retorno, você teria sido atacado no caminho para casa. Entretanto, o tempo mais importante para você foi o tempo que você capinou o meu jardim, pois se dedicou verdadeiramente àquela tarefa. A pessoa mais importante fui eu, a pessoa com quem você estava, e o objetivo mais importante era simplesmente ajudar.
Depois, quando o homem ferido chegou, o tempo mais importante foi o tempo que você se dedicou, cuidando da sua ferida, de outro modo ele teria morrido e você teria perdido para sempre a oportunidade de perdoá-lo e receber em troca seu perdão e sua gratidão. Naquele momento ele era a pessoa mais importante e o objetivo mais importante era tratar sua ferida.
Vossa Majestade, o presente momento é o único momento, disse o eremita. A pessoa mais importante é sempre que está ao seu lado feliz. O que podia ser mais simples ou mais importante?
O imperador curvou-se em gratidão para o velho eremita e foi em paz.
Autor desconhecido
Livro Coaching Positivo, pág. 234
Galopamos pela vida como artistas de circo que se equilibram em dois cavalos lado a lado em grande velocidade – um pé sobre o cavalo que se chama ‘destino’ e o outro que se chama ‘livre-arbítrio’.
Elizabeth Gilbert.