A cultura organizacional origina-se das maneiras informais e não oficiais de proceder. Em troca, ela influencia a organização formal ao modelar a maneira como os funcionários percebem e reagem a cargos formalmente definidos e aos arranjos estruturais (WAGNGER III E HOLLEMBECK, 2012). O interesse pelo estudo da cultura organizacional ganhou força nos anos de 1980, motivado em grande parte pelo excelente desempenho das empresas japonesas na época e pela crença de que o envolvimento dos trabalhadores com os valores e a filosofia destas organizações era o principal fator responsável por seu sucesso. Apoiando-se nesses pressupostos, pôde-se observar a notoriedade do fato de que as pessoas não vivem isoladas e nem são autossuficientes. Elas estão continuamente se relacionando com outras pessoas e ambientes a fim de se ajustarem a uma variedade de situações, para satisfazer suas necessidades físicas e emocionais. Daí a importância de se avaliar o comportamento das pessoas e o relacionamento das mesmas dentro do ambiente organizacional. Conclui-se que as características dos líderes que mais influenciam no desempenho de uma equipe são o seu posicionamento perante as mais diversas situações e a interação do líder com cada um de seus colaboradores, ouvindo e compreendendo as necessidades e aspirações inerentes a cada pessoa, sendo o reflexo destas características mais intenso do que o obtido com a execução das funções básicas pertinentes a um líder. Portanto a motivação deve sempre ser tomada como ferramenta básica de gestão, munindo o líder com o diferencial necessário para garantir uma vantagem competitiva à organização.
 
PALAVRAS-CHAVE: Clima organizacional, liderança, trabalho em equipe, motivação.

O CLIMA ORGANIZACIONAL E SUA IMPORTÂNCIA NO DESEMPENHO DAS EQUIPES DE TRABALHO